Como escolher um Desktop? Algumas dicas, com foco no processador.

Muitos de nós ao entrar em uma loja para comprar um computador se depara com a dificuldade da escolha. Existem alguns atributos estéticos que são mais fáceis de escolher, tais como: design e cor.

Se vocês me permitem, gostaria de abrir um parêntese para falar de cores. Henry Ford no início do século XX, quando criou Ford T, disse que as pessoas poderiam escolher a cor do carro, desde que fosse preto. Às vezes, tenho a impressão que posso escolher o desktop que eu quiser, desde que ele seja Preto ou Cinza. E os computadores são muito parecidos. Parece o Ford T. A frase de Henry Ford se aplica até hoje, em várias indústrias (inclusive automobilistica), mesmo um século depois. Incrível !!! Para não ser injusto, algumas empresas estão começando a pensar em outros designs (mais finos, pequenos, etc) e alguns com cores, especialmente nos notebooks. Aproveito para pedir a vocês que enviem sua opinião sobre este assunto. Será muito bom saber o que vocês acham sobre isso, principalmente o tema das cores. Superada a fase da escolha do design, surge a dúvida sobre qual processador escolher.

Vou dar algumas dicas, seguindo o processo que eu acabo usando para a compra de um produto. Neste caso específico, estarei focando a escolha de um desktop. Irei falar sobre notebooks em outra oportunidade, pois eles merecem uma discussão à parte. Note que o processador também não é o único componente para determinar o desempenho de um computador, mas ele tem um peso grande. O primeiro item é identificar o tipo de uso que eu terei com o equipamento. Eu penso no uso atual e também no que pode vir em futuro muito próximo.

À medida que passamos a usar o computador para uma determinada finalidade, começamos a sofisticar ainda mais o seu uso. Com isso, aquele equipamento que era excelente no momento da compra, vai se tornando obsoleto. Isso sem falar na evolução dos aplicativos. À medida que mais poder de computação é disponibilizado, as empresas de aplicativos (softwares) passam a incrementar ou criar novas funções em seus produtos. Com isso, estes aplicativos irão requerer mais poder de processamento. Classificamos os modelos de uso em: Entrada, Bom, Melhor e Excelente (em inglês seria o Entry, Good, Better e Best). Para cada modelo, temos uma família de processadores. Segue abaixo o mapa entre o modelo de uso e a familia de processadores.

Na imagem anterior indicamos mais de uma família de processadores em um modelo de uso. A razão para isso é que estamos numa fase de transição. Os processadores Pentium® D estão sendo substituidos pelos processadores Pentium® Dual Core e os processadores Pentium® 4 HT estão sendo descontinuados, ficando somente os processadores Celeron™ no segmento de entrada. Deixei-os na imagem porque ainda há equipamentos no mercado com estes produtos.

Entrada: Computadores equipados com este processador são, em geral, destinados a um público que possui uma utilização básica: acesso à Internet, aplicativos de escritórios como editor de textos, planilhas, etc. Estas pessoas não são usuários pesados, usam os equipamentos de vez em quando e aceitam bem que um determinado aplicativo demore um pouco mais para executar uma tarefa. Bom: Quando os usuários passam a dominar os computadores, é comum que eles começem a executar mais de um aplicativo por vez. Exemplo: Deixar o computador fazendo um download, enquanto você escuta música e procura alguma coisa na Internet, além de ter um editor de textos com um trabalho aberto e várias telinhas do Messenger. Alguns ainda podem estar fazendo alguma manipulação de imagem ou vendo um video.

Se trabalharmos com um processador simples, só existe um componente de processamento para todas estas atividades. Quando os usuários caminham para este modelo de uso, chamado de multitarefas, os processadores com múltiplos núcleos começam a ocupar o seu espaço. Isso porque você está colocando mais de uma unidade de processamento para fazer todo o trabalho. Para aqueles usuários que querem trabalhar com várias aplicações, sem manipulações de imagens, jogos pesados, etc. A família de processadores Pentium Dual Core é indicada. Melhor: Se você é um usuário que trabalha com vários aplicativos simultaneamente, realiza atividades “pesadas” no seu computador e não gosta de ficar esperando (como eu), a família de processadores Core™ 2 Duo é a indicada. O processador Core™ 2 Duo oferece um grande desempenho, com baixo consumo de energia. Ele permite que você rode as versões mais potentes do Windows® Vista, com quem faz um dueto da melhor qualidade.

Excelente: Os processadores com quatro núcleos estão começando a ter uma grande participação no mercado. Eles oferecem aos usuários a melhor experiência quando rodando múltiplos aplicativos, realizando manipulação de imagens, gerando músicas MP3, etc. Além disso, alguns games estão sendo desenvolvidos especificamente para estes processadores. Eu cheguei a ver algumas demonstrações de games para processadores Quad Core e a qualidade de definição de imagens é impressionante. Para quem procura grande experiência visual, este é o cara. Eu sempre procuro escolher um computador com um processador pertencente a uma familia acima do modelo em que me encaixo no momento, desde que eu tenha como pagá-lo. Espero que os itens acima tenham ajudado a escolher a familia de processador. Agora, precisamos escolher um processador específico dentro da família. Como fazê-lo?

Escolhendo um processador específico dentro da Família Sem querer explicar cada um dos termos, o desempenho de um processador da Intel é determinado pela combinação dos seguintes elementos: microarquitetura (ver blog anterior), Barramento Frontal (FSB), Frequência do Processador e Cache. Lembre-se que eu falei combinação. Nada de pegar um elemento separado e querer tomar a decisão, ok? Tendo entendido isso, como podemos saber qual é a melhor combinação? Para facilitar o trabalho, a Intel criou uma numeração que é atribuida aos processadores. O nome em inglês é Processor Number (Número de Processador). Um exemplo para facilitar. Vocês já viram anúncios de computadores onde está escrito “com processador Intel® Core™ 2 Duo 6300”? O 6300 é o Processor Number. Ele indica uma microarquitetura (que não é mencionada nas propagandas), uma velocidade de barramento frontal, quantidade de cache e frequência de operação de cada núcleo do processador, além de outras tecnologias Intel presentes no processador. Abaixo eu tenho uma tabela com as familias de processadores e os números utilizados dentro delas.

Na familia de processadores Intel® Celeron®, temos os produtos Celeron® 420, 430 e 440. Neste caso específico, os processadores são fabricados na mesma arquitetura, com mesmo tamanho de cache, mesmo barramento frontal, somente variando o clock (dê uma olhada em http://www.intel.com/products/processor_number/chart/celeron.htm, para maiores informações. Desculpe mas o site está em inglês). Os números de processadores não devem ser usados como medida de desempenho. Esta é a indicação da Intel dentro de todos as suas páginas na Internet. Entretanto, olhando os vários resultados de benchmarks (ferramentas usadas para medir desempenho de computadores) que tenho, à medida que o Número de Processador aumenta, dentro de uma mesma família, o desempenho do computador também aumenta (mantendo-se todos os componentes além do processador iguais). Se você não está acostumado a olhar benchmarks e procurar informações sobre os produtos, esta é uma dica que pode orientá-lo na escolha do processador. Eu sempre procuro comprar o computador que tenha o processador com mais alto Número de Processador, desde que caiba no meu bolso.

Resumindo: os modelos de usos são classificados em Entrada, Bom, Melhor e Excelente. Para cada modelo de uso há uma família de processadores. Hoje são elas: Celeron, Pentium Dual Core, Core 2 Duo e Core 2 Quad, respectivamente. Dentro da familia de processadores, há uma combinação de tecnologias (arquitetura, barramento frontal, cache, clock, etc). Uma combinação de tecnologias é identificada por um Número de Processador. Com isso, dentro de uma família, há diferentes sequências de Números de Processadores. Exemplo: Intel® Core™ 2 Duo 6300, 6400, 6500, etc. Apesar da Intel dizer sempre que os Números de Processadores não são indicativos de desempenho, os resultados publicados de desempenho de equipamentos mostra que dentro de uma mesma família, à medida que o Número do Processador aumenta, aumenta também o desempenho. Bom, fico por aqui. Espero tê-los ajudado um pouco com a escolha do processador.

 Mauricio Ruiz

Compatilhe esse artigo!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.